Elton Saldanha por Tchê Barbaridade

jamais fazer parte por fazer, estar sempre no topo das decisões. Elton é um líder nato.

 

Elton Saldanha - ShowEm nosso site
(www.tchebarbaridade.com.br) conto um pouco da história do Tchê Barbaridade. Em determinado trecho, menciono uma passagem de nossa carreira, na década de 80, que fala da Revolução Cultural, e, neste episódio, menciono o amigo Elton Saldanha.

Prometemos, eu e ele, até escrever sobre o tema, para que venha ao conhecimento público o grande equívoco de nos rotularem como tradicionalistas. Não que isso nos envergonhasse, em qualquer momento. Mas contar desta Revolução Cultural dos anos 80, que surgiu nos festivais de músicas nativistas, dentre elas a Califórnia da Canção, iria esclarecer questões que separam os dois movimentos, o Tradicionalista, do MTG, criado na década de 50, para defender os CTGs, e o dos Nativistas, que fez surgir o maior número de artistas contemporâneos, como o próprio Elton Saldanha, Renato Borghetti, Neto Fagundes, Rui Biriva, dentre dezenas, centenas de outros de renome nacional e internacional, como Yamandú Costa. Este Movimento foi tão forte que fez os jovens urbanos se orgulharem de usar bombacha e alpargatas, tomar chimarrão, influenciados por esta nossa cultura, que cada vez mais conquistava os jovens. Desta influência nasceu o Tchê Barbaridade. Foi através deste caminho que percorremos o nosso destino. E o Elton Saldanha de 1985 é o mesmo profissional e amigo de 2007. Jamais mudou, jamais deixou de apoiar novas tendências, de contar em versos as suas experiências, da realidade ao imaginário.
Falar de Elton Saldanha como profissional e amigo é lembrar de 1989, de como nos incentivou para gravarmos nosso primeiro LP e, para demonstrar seu apoio, nos deu uma canção que veio a fazer muito sucesso: Um chamamé: “Quem é que vai querer, quem é que vai levar, é só saber bailar um chamamé…não é de vender, não é de comprar, é só saber bailar, um chamamé…”. Através destes versos, que tinha muita facilidade para compor, Elton fazia sucesso como intérprete dos festivais e também como excelente compositor, ajudando na carreira dos seus conterrâneos.
O Elton Saldanha atual, da virada do século, é um ser humano exemplar, cooperativista, integrado na sociedade, que contribui com a música no processo político-cultural, e como gestor na área da comunicação, com cargo de confiança de governo, ou simplesmente como cidadão. Ele participou de fatos que determinaram mudanças no comportamento social. A característica do Elton Saldanha é assim: jamais fazer parte por fazer, estar sempre no topo das decisões. Elton é um líder nato.
Deixo o meu carinho e respeito por este grande amigo e profissional.

Paulo Cesar BombassaroElton Saldanha - Depoimento do Tchê Barbaridade
Diretor de Marketing
Tchê Barbaridade

Foto: Charles Dias
Voltar – Depoimentos
Compartilhe nas Redes Sociais!
Sem comentários ainda.

Deixe uma resposta